8 de novembro de 2017
publicado às 14h39
Merendeira do Pará é premiada em concurso apoiado pela ONU

Merendeira do Pará é premiada em concurso apoiado pela ONU

A merendeira do Pará, Maria Claudia Ferreira dos Santos, foi premiada no concurso apoiado pela ONU. Ela é uma das cinco vencedoras do concurso Melhores Receitas da Alimentação Escolar. Ganhadoras foram premiadas em cerimônia, em Brasília. Representando a Região Norte, Maria Claudia foi vencedora com o prato “Macarronada Paraense”. Ela trabalha na Escola Municipal Jose Alves Cunha, na capital do Estado do Pará, Belém.

Em sua segunda edição, a competição — promovida pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do Ministério da Educação (MEC) — recebeu mais de 2 mil inscrições de todas as partes do Brasil. As cinco vencedoras viajarão, em 2018, para a República Dominicana, onde conhecerão iniciativas locais de alimentação escolar. A iniciativa foi promovida em parceria com o Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA), a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Sebrae e a Caixa.

“Como é servir um alimento na escola? É servir com o coração, com amor. A gente pega o alimento na mão e sabe que tem centenas de crianças esperando por aquela refeição”. É assim que a merendeira Daniela Fernando Felizardo, de Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, descreve seu trabalho rotineiro. “O mais gratificante para nós, merendeiras, é quando a gente está na rua ou mesmo na escola e uma mãe ou um pai te para e te diz: meu filho está se alimentando melhor graças a você”, acrescenta Daniela.


Conheça as vencedoras da etapa nacional do concurso
:

  • Representando a Região Norte, Maria Claudia Ferreira dos Santos, com o prato “Macarronada Paraense”. Ela trabalha na Escola Municipal Jose Alves Cunha, na capital do Estado do Pará, Belém.
  • Representando o Nordeste, da Escola Juazeiro, cidade de Tacaratu, em Pernambuco, Gilda Rosângela Cordeiro de Souza, com o tradicional “Caldo Nordestino”, feito com carne de bode.
  • Representando a Região Centro-Oeste, Debora de Souza Leal Ribeiro, com o prato “Legumes ao Creme de Milho”, da Escola Doutor José Maria Fernandes Leitão, cidade de Novo Oriente, Goiás.
  • Representando o Sudeste, da Escola Municipal Interventor Noraldino Lima, cidade de São Sebastião do Paraíso, Minas Gerais, Luciana Aparecida Pinheiro, com o prato “Arroz Minerim”.
  • Representando a Região Sul, Daniela Fernanda Felizardo, com o prato “Polenteca”, da EMI Feliz da Vida, cidade de Bento Gonçalves, Estado do Rio Grande do Sul.

ONU elogia alimentação escolar no Brasil

Gustavo Chianca, representante-assistente da FAO no Brasil, lembrou que a alimentação escolar foi uma das razões pelas quais, em 2014, o Brasil deixou de fazer parte do Mapa da Fome, quando o índice de pessoas passando fome no país ficou abaixo dos 5%. Hoje, o Brasil mantém a cifra inferior a 2,5%.

“A alimentação escolar foi a grande responsável porque, quando ela passou a entrar nas estatísticas brasileiras, fez o Brasil sair do Mapa da Fome rapidamente. E para a FAO esse é um grande exemplo e uma ferramenta-chave na erradicação da fome no Brasil e no mundo”, assinalou Chianca.

Já o diretor do Centro de Excelência contra a Fome, do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Daniel Balaban, elogiou o trabalho desenvolvido pelas merendeiras. “Basta termos vontade que nós conseguimos transformar a realidade do nosso país. As merendeiras brasileiras nos mostram isso. Todas vocês são vencedoras. Graças aos alimentos que vocês preparam nossas crianças são capazes de compreender o que está sendo dito dentro da sala de aula.”

O presidente do FNDE, Sílvio Pinheiro, disse que, mesmo com o cenário nacional de restrição orçamentária, foi possível ampliar em mais de 20% o orçamento para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). “Esse é um programa que atende 40 milhões de crianças e fornece 50 milhões de refeições todos os dias.”

As vencedoras do concurso Melhores Receitas da Alimentação Escolar receberam prêmios em dinheiro nos valores de R$ 1.000,00 (terceiro lugar), R$ 3.000,00 (segundo lugar) e R$ 6.000,00 (primeiro lugar). (ONU Brasil).

Compartilhar
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014