2 de janeiro de 2018
publicado às 20h31
Brasilienses brindam a entrada do novo ano com shows na Prainha

Brasilienses brindam a entrada do novo ano com shows na PrainhaO grupo baiano de afoxé Filhos de Gandhy e o cantor brasiliense de samba-rock Marcelo Café conduziram a noite da virada na Praça dos Orixás, no Setor de Clubes Sul

LARISSA SARMENTO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

Com oferendas a Iemanjá e ritos religiosos de matriz africana, 4,5 mil pessoas comemoraram a virada do ano às margens do Lago Paranoá, na Praça dos Orixás, mais conhecida como Prainha. A estimativa de público é da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social.

Show do grupo baiano de afoxé Filhos de Gandhy. Foto: Renato Araújo/Agência Brasília
Show do grupo baiano de afoxé Filhos de Gandhy. Foto: Renato Araújo/Agência Brasília

Para animar a celebração, o grupo baiano de afoxé Filhos de Gandhy e o cantor brasiliense de samba-rock Marcelo Café se apresentaram no palco montado no local.

A festa começou por volta das 19 horas deste domingo (31) e, à meia-noite, a praça ficou iluminada com a queima de fogos, que durou 10 minutos.

Algumas pessoas preferiram assistir ao espetáculo da Ponte Honestino Guimarães, que liga a Prainha ao Pontão do Lago Sul. Para garantir a segurança do público, agentes do Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF) fecharam a pista para veículos.

O estudante Caio César Félix, de 19 anos, participou pela segunda vez da festa na Praça dos Orixás. Para ele, que é católico, é uma forma de aprender novas culturas.

“A palavra do evento é diversidade, e, estando aqui, a gente percebe as nuances da nossa cultura”, disse.

Sandra Borges é cantora e foi para o réveillon 2018 com a companheira, Sandra Gonçalves, e um grupo de amigas. “Eu acho bem democrático este espaço.”

“Este é um momento plural em que todos os terreiros do DF e Entorno comemoram os Orixás”, explicou Adna Santos de Araújo, a Mãe Baiana, do terreiro de candomblé Axé Oyá Bagan, no Paranoá.

De acordo com o diretor-presidente da Federação de Umbanda e Candomblé de Brasília e Entorno, Rafael Moreira, 128 terreiros participaram da festa.

A programação do réveillon na Prainha teve início no sábado (30) com a comemoração do Dia do Samba. Houve apresentações de sambistas da cidade, como Renata Jambeiro e Dhi Ribeiro, e de bandas locais, como Amor Maior e Coisa Nossa.

“Hoje vai ser um dia lindo, um dia de paz. Queremos paz para 2018”, disse o secretário de Cultura, Guilherme Reis.

Prainha é palco de resgate cultural

A festa na Prainha tem como objetivo valorizar as manifestações culturais de matriz africana, de forma a resgatar tradições historicamente excluídas.

De acordo com a Subsecretaria de Cidadania e Diversidade Cultural, da Secretaria de Cultura do DF, Jaqueline Fernandes, essa é uma festa tradicional que ocorre desde os anos 1970.

O evento é produzido por entidades religiosas de matriz africana, mas agrega pessoas de todas as religiões.

“Esta festa reforça a Prainha como um espaço de memória da cultura afro brasiliense, além de ser uma forma de levantar a bandeira contra a intolerância religiosa e o racismo.”

Festa tem o apoio do governo de Brasília

Tanto a festa da Prainha quanto os shows da virada na Esplanada dos Mistérios contaram com o apoio do governo de Brasília. O custo total foi de R$ 1.965.327,60.

Esse montante inclui estrutura, contratações, chamamento de artistas locais, passagens aéreas e a taxa de direitos autorais cobrada pelo Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad).

Além do apoio financeiro, o governo de Brasília ficou encarregado de fazer a segurança do local. Um efetivo de 16 agentes de trânsito do Detran-DF, 8 viaturas operacionais, guinchos e empilhadeira controlaram o trânsito.

A Polícia Militar do Distrito Federal e o Corpo de Bombeiros também participaram da operação na Praça dos Orixás.

EDIÇÃO: PAULA OLIVEIRA

Compartilhar
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014