2 de janeiro de 2018
publicado às 17h25
Conservação e uso sustentável da diversidade biológica marinha

Conservação e uso sustentável da diversidade biológica marinha

Em sessão da Assembleia Geral realizada em novembro, os países-membros da ONU decidiram convocar uma nova conferência intergovernamental com o intuito de examinar recomendações que sugerem a criação de um instrumento internacional juridicamente vinculante — no marco da Convenção da ONU sobre o Direito do Mar —, que vise à conservação e ao uso sustentável da diversidade biológica marinha em áreas fora de jurisdição nacional.

Os autores do documento — entre os quais o Brasil — propuseram o estabelecimento de um organismo que se reúna quatro vezes até 2020, ano em que deverá ser tomada uma decisão sobre o instrumento a ser implementado para garantir a proteção de áreas marinhas, avaliar impactos ambientais e a distribuição dos benefícios biológicos dessas zonas.

A solução dada pela Assembleia Geral da ONU pretende preencher uma lacuna particularmente problemática, que se refere a zonas marítimas com riquezas biológicas significativas, nas quais não há legislação nacional ou internacional que defina a distribuição e uso responsável dos recursos. A decisão ocorre em linha com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 14: Vida debaixo d’água.

A proteção da biodiversidade no alto-mar é uma das prioridades do ODS 14, tanto no que se refere ao uso dos recursos para consumo humano, como é o caso da pesca, quanto pelos riscos da poluição causada por vazamentos de petróleo, uma ameaça que tem provocado inúmeras perdas nos últimos anos.

O primeiro período de sessões ocorrerá entre 4 e 17 de setembro de 2018, a pedido da Assembleia Geral. Haverá outras duas reuniões em 2019 e outra no primeiro semestre de 2020.

A conferência estará aberta a todos os países-membros da Organização, organismos especializados e assinantes da Convenção sobre o Direito do Mar. Organizações e órgãos internacionais relevantes e engajados no tema serão convidados como observadores.

O projeto de resolução da Assembleia Geral pode ser acessado em inglês (clique aqui) ou em espanhol (aqui).

 

Compartilhar
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014