2 de julho de 2019
publicado às 16h29
Bolsonaro se nega a fazer reunião com Raoni, um dos maiores líderes indígenas do País

Bolsonaro se nega a fazer reuniao com Raoni“Você aceita se reunir comigo e com o Raoni [Metuktire, líder indígena]?”, perguntou o presidente francês, Emmanuel Macron, a Jair Bolsonaro, que respondeu: “não”; segundo o presidente brasileiro, Raoni, que é reconhecido internacionalmente por sua luta em defesa dos povos indígenas e da Amazônia, “não representa o Brasil”

De acordo com uma fonte do Palácio do Planalto, o encontro informal do presidente Jair Bolsonaro com Emmanuel Macron, da França, durante o G20, foi tenso e o brasileiro recusou se reunir com o político francês na presença do líder indígena Raoni Metuktire.

O cacique de 87 anos é líder da etnia kayapó e é reconhecido mundialmente pela sua luta pela preservação dos povos indígenas e da Amazônia. Raoni se reuniu com Macron e com o Papa Francisco para denunciar o desmatamento da Amazônia e pediu apoio a luta para proteger o Parque Nacional Indígena do Xingu – reserva onde vivem vários povos indígenas – de madeireiros e do agronegócio.

Bolsonaro disse a Macron que o Brasil vai honrar o Acordo de Paris, ponto crucial para o acordo entre a União Europeia e o Mercosul. Ele ainda convidou Macron a sobrevoar a Amazônia, de Boa Vista a Manaus, cerca de uma hora e meia de voo e garantiu que não vai “encontrar qualquer ponto de desmatamento”.

A conversa se deu na última sexta-feira (28), quando Bolsonaro garantiu a Macron que o Brasil vai honrar o Acordo de Paris, do qual é signatário. O compromisso do presidente foi apontado como fundamental para a assinatura do acordo Mercosul e União Europeia.

Logo após a eleição, Bolsonaro cogitou deixar o acordo climático, o que elevou a tensão nas relações com países como França e Alemanha onde há forte cobrança de cumprimento de normas ambientais.

Ao revelar o diálogo com o presidente da França, “que começou mais tenso, mas o ambiente foi se desanuviando”, um assessor do Palácio do Planalto afirmou que o Brasil não vai mudar sua política ambiental, mas pretende mostrar que é cumpridor dos acordos firmados e da legislação como o Código Florestal.

“O presidente não vai baixar a cabeça e não vai aceitar a tutela de ninguém”, disse o porta-voz da Presidência, Otávio Rego Barros.

Compartilhar
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014