28 de janeiro de 2020
publicado às 15h48
Oferta de produtos veganos cresceu 677% no Brasil

Oferta de produtos veganos cresceu no Brasil

Mesmo com crescimento, oferta de produtos veganos no Brasil ainda está aquém da demanda

De acordo com informações da empresa de pesquisa de mercado Mintel, em apenas quatro anos a oferta de produtos veganos no Brasil cresceu 677%, considerando apenas o período de 2014 a 2018.

O que significa que o percentual já subiu se avaliado o ano de 2019, quando houve aumento ainda mais significativo na oferta de produtos à base de plantas, e com circulação que já não se limita aos maiores centros do país.

Outra pesquisa da Mintel, e sobre o cenário global, apontou que o Brasil é o sexto país que mais tem lançado produtos veganos. Já a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) sustenta que mesmo com esse crescimento, a oferta de produtos veganos no Brasil, que já representa parcela significativa dos 55 bilhões de reais em vendas de produtos naturais, ainda está aquém da demanda da população.

Em sua última pesquisa realizada sobre esse mercado, o Ibope Inteligência revelou que 60% dos brasileiros consumiriam mais produtos veganos se custassem o mesmo que produtos com ingredientes de origem animal. Sendo assim, o desafio agora para conquistar mais consumidores, como registrado anos atrás nos EUA, é encontrar meios de oferecer preços mais competitivos.

Em alguns países, esse segmento tem recebido apoio governamental, incluindo redução da carga tributária e programas específicos de financiamento para empresas veganas. A justificativa é que além de geração de renda e emprego, o maior diferencial é a contribuição ao meio ambiente e à sustentabilidade.

Além disso, só em 2018 o mercado brasileiro de alternativas aos laticínios cresceu 51,5% e ofertas à base de soja, arroz, aveia, coco e amêndoas lideraram uma movimentação de R$ 545 milhões, segundo a empresa global de consultoria Euromonitor International. Com redução de custos no processo produtivo, a substituição de produtos de origem animal por produtos de origem vegetal pode ser muito maior.

Em relação à carne, o futuro no Brasil também é auspicioso para as alternativas à base de plantas. De acordo com o Datafolha, só em 2017, quando o número de veganos e vegetarianos no Brasil era menor do que hoje, uma pesquisa revelou que 73% dos brasileiros se sentem mal sobre a origem da carne, com 63% afirmando que pretendem reduzir esse consumo.

Essa realidade também já chegou ao segmento de restaurantes. Só em Campinas (SP), e avaliando o período de 2018 e 2019, o número de restaurantes de comida vegana ou vegetariana subiu de 8 para 38, representando crescimento de 475%, segundo informações da Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic).

Vale lembrar também que em 2018 outra pesquisa do Ibope Inteligência revelou que 14% da população brasileira se declara como vegetariana, o que corresponde a 30 milhões de pessoas; e que cerca de cinco milhões se identificam como veganas, de acordo com a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB). O percentual sobe para 16% em cidades como Curitiba, São Paulo, Rio de janeiro e Recife.

Saiba mais

Produtos veganos são classificados como produtos livres de ingredientes de origem animal, que não foram testados em animais e que não envolvem nenhum tipo de exploração animal.

 

Fonte: ANDA

Compartilhar
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014