Salve a Amazonia
17 de julho de 2015
publicado às 11h34
Agrotóxicos: pobre daquele que crê estar seguro pela atuação governamental

Anderson ValleAs vendas anuais de agrotóxicos e afins no Brasil entre os anos de 2000 e 2012 tiveram um crescimento de 194,09%. Este crescimento tem se dado de forma exponencial atingindo 477.792,44 toneladas de ingredientes ativos comercializados nesse ano. Dentre eles, o herbicida cujo ingrediente ativo é o glifosato (comercializado pela Monsanto com o nome de Randup) aparece sempre na primeira colocação representando entre 30% e 50% das vendas nacionais.

Ele é registrado para uso em 26 culturas. Pertence ao grupo químico glicina substituída e em sua monografia é informado que tóxico para organismos aquáticos, pouco tóxico para organismos do solo, aves e abelhas, e pouco bioacumulável. Também que é um produto pouco a medianamente persistente no solo, pouco móvel e apresenta elevada adsorção ao solo. Porém, há estudos indicando sua capacidade carcinogênica, seu potencial de alteração da reprodutibilidade e a capacidade de causar mutação genética em seres humanos.

Apesar do negro cenário, o agrotóxico nosso de cada dia está presente em nossa vida conseguindo atravessar as autoridades fiscalizatórias com inacreditável facilidade. Partindo-se da legislação, pouquíssimas são as substâncias que possuem um limite máximo de exposição permitido ou mesmo um limiar tolerável no meio ambiente. Por exemplo, vamos retomar o caso do glifosato: existe um limite de tolerância na água para que seja considerada potável, mas não no solo para que não cause um determinado dano ecológico. Outros ingredientes ativos nem limite indicativo de potabilidade para água possuem, ou seja, as normas consideram a água potável, mesmo que ela esteja infestada de veneno.

Barranco abaixo no controle de tais substâncias estão os órgãos públicos responsáveis pelo monitoramento, controle e registro do uso de agrotóxicos. Atualmente não há no Brasil um panorama nacional das áreas contaminadas por agrotóxicos. O glifosato é servido através da carne da vaca que se alimentou da pastagem contaminada e da soja transgênica, modificada geneticamente para resistir a altíssimas doses do herbicida.

A justificativa para que nenhum teste seja feito para medir o nível do glifosato nos alimentos que consumimos é que ele não é detectado pelo teste de multirresíduos, capaz de detectar vários outros agrotóxicos de uma só vez, e que realizar testes específicos para sua detecção se tornaria demais oneroso.

Orcei junto á Bioagri em junho deste ano, e o valor para o teste, por amostra, em alimento, solo ou água ficaria em torno de 1.200,00 reais por amostra. A este valor, o pensamento das autoridades públicas possivelmente seja: custear a desintoxicação é mais barato do que realizar os testes.

Entretanto, é possível que esta conta esteja errada. Nem mesmo o Ministério da Saúde tem noção destes valores, tanto que abriu edital de pesquisa no valor de 1.500.000,00 reais para ter acesso a algum valor aproximado. Em sua tese de doutorado, Wagner Soares estimou que nos cenários em que há maior risco nos estabelecimentos rurais verificou-se que para cada dólar gasto com a compra dos agrotóxicos US$ 1,28 poderiam ser gerados em custos externos com a intoxicação. Na prática, compramos agrotóxicos e enriquecemos os agricultores para depois assumirmos o gasto público da saúde.

Diante deste cenário, fugir da alimentação industrializada e primar pelo consumo de orgânicos é o que nos trará uma menor, mas não total, exposição aos agrotóxicos.

* Anderson Valle é Analista Ambiental.

Compartilhar
Comentários 
1

Fatal error: Uncaught Error: Call to undefined function wp_list_comments2() in /home/storage/7/a9/c3/portaldaamazonialeg1/public_html/wp-content/themes/amazonia_legal/comments.php:26 Stack trace: #0 /home/storage/7/a9/c3/portaldaamazonialeg1/public_html/wp-includes/comment-template.php(1554): require() #1 /home/storage/7/a9/c3/portaldaamazonialeg1/public_html/wp-content/themes/amazonia_legal/single.php(81): comments_template() #2 /home/storage/7/a9/c3/portaldaamazonialeg1/public_html/wp-includes/template-loader.php(106): include('/home/storage/7...') #3 /home/storage/7/a9/c3/portaldaamazonialeg1/public_html/wp-blog-header.php(19): require_once('/home/storage/7...') #4 /home/storage/7/a9/c3/portaldaamazonialeg1/public_html/index.php(22): require('/home/storage/7...') #5 {main} thrown in /home/storage/7/a9/c3/portaldaamazonialeg1/public_html/wp-content/themes/amazonia_legal/comments.php on line 26