Salve a Amazonia
24 de agosto de 2019
publicado às 14h09
Brigadistas tentam apagar incêndio próximo ao Parque Nacional de Chapada dos Guimarães

Brigadistas apagar incendio Parque Nacional de Chapada dos GuimaraesNa quinta-feira (22), 22 brigadistas ficaram no local até as 22h, mas não conseguiram conter as chamas. Eles retornaram às 5h30 desta sexta-feira e continuam no local.

 Um incêndio próximo ao Parque Nacional de Chapada dos Guimarães, a 65 km de Cuiabá, foi controlado pelo Corpo de Bombeiros e brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) nesta sexta-feira (23). O fogo na área de preservação ambiental começou nessa quinta-feira (22).

Conforme o Corpo de Bombeiros, o fogo atingiu uma área de morros, o que dificulta o acesso dos brigadistas via terrestre. Desse modo, foi usado um avião contendo 3 mil litros de água, para ajudar as equipes que, na floresta, fizeram aceiros para evitar a propagação das chamas.

 Apesar das chamas estarem controladas, as equipes permanecem no local fazendo a vigilância e para garantir que o fogo não retorne.

Inicialmente, a equipe do ICMBIo realizou o combate inicial, controlando parcialmente e, na manhã desta sexta-feira, segundo o Corpo de Bombeiros, os brigadistas do ICMBIo informaram que o fogo que havia sido controlado tinha voltado a se propagar. Com isso, foram mobilizadas tropas terrestres do ICMBio e Corpo de Bombeiros, incluindo o Grupo de Aviação Bombeiro Militar.

O ICMBio, na parte superior da serra, conteve o incêndio, e as equipes do Corpo de Bombeiros e do ICMBio concentraram os trabalhos na parte inferior da serra, com o intuito de evitar propagação às residências das chácaras e sítios do local.

Conforme os brigadistas, o terreno é extremamente irregular, o que dificulta o trabalho.

Foi solicitado reforço ao Comitê Temporário Integrado Multiagências de Coordenação Operacional (Ciman).

Em cerca de 4 quilômetros ao longo do limite do Parque Nacional, foi preparada uma linha contínua com queimas prescritas. Ou seja, o parque está relativamente seguro.

Contudo, há muitas propriedades vizinhas que podem ser atingidas no caminho.

 

Compartilhar
Notícias Relacionadas
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014