Salve a Amazonia
8 de novembro de 2017
publicado às 16h25
Bula!

COP23-FijiA saudação, que para a população de Fiji significa “vida”, é a palavra que precisa permear as negociações e discursos da COP23, que começou nesta semana.

Apesar do frio que faz em Bonn, na Alemanha, são coqueiros o símbolo da 23ª Conferência do Clima da ONU (a COP23), que está acontecendo nessa cidade alemã. Os coqueiros representam Fiji, o arquipélago no Pacífico que está presidindo as negociações sobre como combater o aquecimento global e dimininuir as emissões de gases de efeito-estufa.

Ter Fiji na presidência de uma COP na Europa tem uma simbologia importante. Representa a urgência para a implementação do Acordo de Paris com regras para que a população dessa ilha e de tantos outros países não sofram ainda mais as consequências do aquecimento global.

Fiji está na lista de países muito vulneráveis às mudanças climáticas. Já sofre com tempestades cada vez mais comuns, e corre o risco de desaparecer do mapa devido ao aumento do nível do mar e o aquecimento das águas do Pacífico.

As negociações deste ano se dão em um momento crucial para tentarmos evitar consequências mais trágicas, resultados das mudanças climáticas. A COP deste ano precisa alcançar um progresso real nas diretrizes de implementação do Acordo de Paris.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) mostrou o tamanho do nosso desafio e a urgência em combater o aquecimento global com novo relatório. O documento afirma que houve um recorde de aumento de temperatura em 2017: A temperaturas médias do nosso planeta estão 1,1 grau Celsius mais altas do que as temperaturas que tínhamos entre 1880 a 1900, quando começamos a queimar combustíveis fósseis e a medir as temperaturas da Terra.

O recado ficou claro para os país que assinaram e ratificaram o Acordo de Paris. Eles devem implementar medidas ambiciosas para evitar que o mundo chegue a temperaturas acima de 2 graus Celsius até o fim do século – e que, de preferência, não ultrapasse 1,5 grau Celsius. Isso está estabelecido no Acordo, mas precisa estar na prática nos planos desses governos.

A sociedade civil está fazendo sua parte ao demonstrar preocupação com investimentos governamentais em energia fóssil. No sábado, antes mesmo da abertura da COP, aconteceu a Marcha pelo Clima em Bonn. Vinte e cinco mil pessoas fora às ruas pedindo o fim da era do carvão e dos combustíveis fósseis.

Já no primeiro dia da COP, foram as crianças da escola Kids for Earth que marcharam rumo ao centro de conferências onde acontece a conferência. Elas pediam que os governos “salvem o planeta e não o dinheiro”. Essa é a geração que está dando um passo à frente e pensando no futuro, delas e das que virão. E estão mostrando que sabem o que deve ser feito para que tenhamos um futuro seguro.

A COP23 acontecerá até o dia 17 de novembro e mostrará ao mundo se governos estão representando avanços para implementar o Acordo de Paris. De acordo com Patricia Espinoza, Secretária Executiva da UNFCCC, “não temos mais o luxo do tempo”.

“Bula”, para a população de Fiji, é uma saudação que significa “vida”. E é essa palavra que esperamos encontrar nas entrelinhas das ações e discursos dos governantes que estão na COP23. É a vida, principalmente das populações mais vulneráveis, como os moradores de Fiji que temos a obrigação de salvar. A partir de hoje, sem mais demora.

*Fabiana Alves é especialista em Clima do Greenpeace Brasil e está em Bonn, na COP23.

 

 

Compartilhar
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014