Salve a Amazonia
12 de setembro de 2016
publicado às 10h47
Dois cachorros e um gato morrem após ação de derrubada no DF

dois-cachorros-e-um-gato-morrem-apos-acao-de-derrubada-no-dfSegundo protetores de animais, equipes da Agência de Fiscalização (Agefis) não teriam esperado os invasores tirarem animais do local e passaram com as máquinas em cima dos bichos. A agência nega que tenha matado os bichos

Uma ação de derrubada no Sof Sul terminou em confusão, na manhã dessa sexta-feira (9/9). Equipes da Agência de Fiscalização (Agefis) não teriam esperado os invasores tirarem animais do local e teriam passado com as máquinas em cima dos bichos. Dois filhotes de cachorro e um de gato morreram durante a ação. Associações de proteção aos animais estiveram no local neste sábado (10) e vão registrar ocorrência na Polícia Civil.

Segundo Ana Paula Mendes, que integra grupos de proteção aos animais, as equipes da Agefis chegaram ao local por volta das 8h de sexta e logo começaram a derrubada. “As máquinas foram derrubando os lotes e não respeitaram a lei dos bichos. Passaram em cima dos filhotes que tinham acabado de nascer. Encontramos mortos dois filhotes de cachorro e um de gato”, afirma.

As mortes dos animais foram descobertas pelas associações neste sábado (10), quando integrantes do grupo estiveram na região para levar ração. “Fazemos ação aqui ajudando a castrar os animais e trazendo ração. Quando chegamos hoje, uma das protetoras encontrou os animais mortos e foi informada. Vamos registrar o caso na Polícia Civil”, garante Ana Paula.

Em nota, a Agefis disse que realizou uma operação de retirada de acumuladores de lixo dentro do Parque Ecológico Ezechias Heringer, no Guará. Mas negou a acusação dos protetores de animais. “Nenhum óbito de animal foi constatado durante a operação”. A agência disse, no entanto, que o comando da operação estava sob a responsabilidade da administração do Guará.

A assessoria de imprensa da administração afirmou que todas as normas de segurança foram cumpridas durante a operação, que contou com o Ibram e a Zoonose para  “que não houvesse nenhum dano aos cavalos, cães e gatos do local”. A nota nega ainda que qualquer animal tenha morrido durante a ação. “Muitos deles apresentavam indícios de maus tratos. Um caminhão foi oferecido para que, caso alguém desistisse de seu animal, ele pudesse ser levado a um local adequado”, diz o texto. (Metrópoles).

 

Compartilhar
Notícias Relacionadas
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014