Salve a Amazonia
3 de setembro de 2015
publicado às 23h13
Grupo acampa no CCZ-DF em protesto pela crueldade contra animais

Acampamento CCZ DF

Ativistas que lutam pela defesa animal no Distrito Federal realizam um acampamento em frente ao CCZ-DF exigindo a instalação de um comitê de ética.

Um grupo de ativistas completa nesta quinta-feira (3) seis dias acampado em frente ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) do Distrito Federal. Com faixas e cartazes, os protetores pedem a troca da direção do centro e acusam os gestores de praticarem “tortura” e o sacrifício desnecessário de cães e gatos. A Secretaria de Saúde nega que haja maus-tratos e afirma que apenas bichos com doenças que podem oferecer risco à saúde da população ou entregues pelos donos em estado terminal são sacrificados.

Os ativistas se mobilizaram após divulgação de vídeo que mostrou curso realizado pela Dival para servidores sem formação veterinária aprenderem a coletar sangue em cães que seriam sacrificados posteriormente (veja abaixo). Uma funcionária que não concordou com o procedimento afirmou que os cães passavam por sofrimento.

Ao G1, a Secretaria de Saúde  informou que agentes de vigilância ambiental passaram por treinamento para realizar o procedimento para atuarem em campanha contra a leishmaniose e que não houve maus-tratos. Na semana passada, o Conselho Regional de Medicina Veterinária pediu esclarecimentos à Dival sobre o procedimento, mas nesta quarta ainda não havia obtido resposta do órgão.

Cadela em vídeo
A advogada Vânia Alcina de Souza, de 44 anos, diz que reconheceu a cadela Flora, que entregou para sacríficio por ter leishmaniose, nas imagens do treinamento. “Estava dando almoço para o meu bebê quando vi ela no jornal e levei um susto, porque a reportagem passou recentemente, há uns quatro dias, e ela tinha sido entregue há 15 dias”, diz. “Pensei, ‘não é possível que estejam mantendo um cachorro vivo para ficar tirando sangue várias vezes’. Fiquei em choque.”

Vânia diz que foi até o CCZ tentar buscar a cadela para levá-la de volta para casa. “Fui procurar saber o que estava acontecendo porque, afinal, a gente entrega um animal e espera que ele seja tratado com um mínimo de dignidade”, diz ela.

“Alegaram que havia sido feito só uma coleta [de sangue]. Eu, honestamente, não acreditei, mas, pessoalmente, agora não posso fazer nada. Não tem o que fazer.”

A advogada diz que adotou a cadela de um abrigo de cães há seis anos. “Ela era muito mansa, extremamente dócil”, diz. “Me arrependi muito. Fui atrás para pegar meu animal de volta, porque se ainda estivesse vivo, tiraria de lá, mas não consegui localizar mais o cachorro. Fiquei muito revoltada com a situação”, diz ela.

Acampamento
Os protetores alugaram dois banheiros químicos e uma tenda grande para protegerem as barracas do sol. Durante o dia, abordam motoristas que chegam ao centro para entregarem animais a fim de evitar que alguns sejam levados a sacrifício sem necessidade.

“A gente para os carros na porta, explica para eles o que está acontecendo lá dentro e que os cães não estão sendo bem tratados”, diz a jornalista Valéria Mendes.

A protetora Carolina Mourão afirma que o grupo pretende ficar acampado no local até que o governo apresente uma proposta para trocar a gestão e mudar o centro, implementando um serviço de triagem de saúde, castração e programa voltado para a adoção.

“Os animais crescem em progressão geométrica. Se tem mortes em progressão aritmética, o CCZ está praticando o extermínio cruel e sumário para controlar a população de cães, o que é crime”, diz. “O Estado é tutor legal dos animais, inclusive os abandonados, e deveria estar tutelando e castrando […]. Quando entregam os animais para adoção sem castrar, estão alimentando a máquina de superpopulação de cães e das doenças. ”

A pasta diz que serviços como castração em massa, atendimento veterinário público e ações de bem-estar e proteção animal não se caracterizaram como ações em serviços publicos de saúde e portanto “sua gestão, elaboração, financiamento e execução não são atribuições do SUS”.

Sacrifícios
Dados da Secretaria de Saúde apontam que nos últimos cinco anos, a Diretoria de Vigilância Ambiental sacrificou 9.531 dos 14.964 cães e gatos recebidos pelo CCZ. O número corresponde a 63% dos animais que passaram pelo centro entre 2010 e 2014. Desse total, 3.912 (26%) foram adotados. Os outros 11% foram resgatados pelos donos, chegaram em estado crítico ao centro e morreram ou se referem a fichas com inconsistência nas informações.

Chefe do Núcleo de Vigilância de Animais Domésticos, Frederico Tôrres Braz diz que o CCZ sacrifica, em média, cinco cães e gatos diariamente. A média de adoção é de dois animais por dia. Braz afirma que bichos saudavéis não são sacrificados. A indicação para eutanásia, segundo ele, é para animais agressivos, com doenças epidemiológicas não tratáveis, como leishmaniose e raiva, e doentes em estado terminal.

No ano passado, ativistas reuniram 10 mil assinaturas e solicitaram à Secretaria de Saúde a criação de um Comitê de Ética no CCZ. Embora o chefe do centro tenha afirmado que o pedido para criação do grupo foi encaminhado ao setor jurídico no ano passado, a Secretaria de Saúde informou ao G1 que “não tomou conhecimento” do requerimento. O objetivo do comitê, que teria participação da sociedade e de funcionários do centro, seria dar maior transparência ao trabalho realizado no CCZ, que para os ativistas, funciona como uma “caixa-preta”.

Braz afirma que dois testes para leishmaniose são feitos antes de os animais serem sacrificados com uma injeção letal. “Tendo animais com indicação para eutanásia, [o procedimento] é feito de segunda a sexta-feira, geralmente pela manhã. O dono pode assistir, ele tem direito, até para ver que não tem sofrimento.”

“O animal recebe um sedativo, um anestésico geral, e depois uma medicação que paralisa o coração. Só depois que está com a anestesia bem aprofundada que é feita essa medicação”, afirma. Os animais mortos são colocados em tonéis e depois são levados para incineração.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Maus-Tratos a Animais aprovou requerimento para investigar denúncias de maus-tratos no CCZ e solicitou à Dival informações de gastos, registros de entrada, saída e sacrifícios de cães, e laudo das eutanásias realizadas. (G1).

Compartilhar
Notícias Relacionadas
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014