Salve a Amazonia
5 de junho de 2017
publicado às 19h18
Macacos veem a natureza pela 1ª vez depois de passarem a vida em laboratórios

Macacos veem a natureza pela 1ª vez depois de passarem a vida em laboratóriosYodel, Diego, Itchy e Wren são Saguinus oedipus que estão criticamente ameaçados. Os pequenos macacos são nativos das florestas tropicais do norte da Colômbia, mas nunca tinham visto a natureza.

Yodel e seus companheiros, como milhares de macacos antes deles, foram criados deliberadamente para serem torturados em pesquisas nos Estados Unidos.

Eles são descendentes de alguns dos milhares de Saguinus oedipus sequestrados de suas casas na floresta na década de 1950 e 60 para abastecer a demanda crescente de laboratórios.

Uma vida melhor

Recentemente, os quatro chegaram ao seu novo lar definitivo, o Jungle Friends Primate Sanctuary em Gainesville, na Flórida (EUA). Pela primeira vez em suas vidas, eles conseguiram sair, sentir a luz do sol em seus rostos e explorar o seu fantástico e verde habitat quase selvagem.

Ao longo dos anos, o Jungle Friends tem resgatado centenas de macacos de laboratórios de pesquisa e atualmente abriga mais de 150 macacos anteriormente abusados nesses experimentos cruéis, reportou o One Green Planet.

Muitos deles nasceram na natureza, foram arrancados de suas famílias, capturados para pesquisa e viveram em pequenas jaulas durante décadas.

Macacos se emocionam ao conhecer a natureza

Outros, como Yodel e seus amigos, nasceram em cativeiro e nunca estiveram ao ar livre. O programa Jungle Friends Research to Retirement oferece uma vida “quase selvagem” para esses macacos vítimas de laboratórios.

O santuário se empenha para entrar em um acordo com universidades e laboratórios para facilitar o fim da exploração dos animais – um processo de negociação potencialmente difícil com o qual a CEO da Jungle Friends, Kari Bagnall, está profundamente comprometida.

“Acreditamos em oferecer a esses macacos uma vida tão próxima do natural quanto for possível para o resto dos seus dias”, ressaltou.

Kari descreve a emoção dos recém-chegados ao ficar ao ar livre pela primeira vez em suas vidas: “Quando abrimos as portas do prédio interno para as pistas ao ar livre que levam a seus habitats, nossos novos pequenos macacos não sabiam o que pensar no início. Nenhum deles esteve do lado de fora antes – mas, apesar do receio, eles estavam mais do que dispostos a experimentar isso”.

“Logo, todos se arriscaram para respirar o ar fresco e conhecer todas as novas paisagens, sons e cheiros. Em pouco tempo, estavam correndo pelo chão, pulando no bambu e pelas folhas de bananeiras e procurando alimento”, acrescentou.

Um final feliz

Macaco desfruta da liberdade

Yodel, Diego, Itchy e Wren terão uma casa pelo resto de seus dias no Jungle Friends, onde irão desfrutar de uma vida digna e pacífica. Eles podem escolher passar seus dias como desejam: procurando alimentos, tomando banhos de sol ou brincando e socializando com amigos.

Eles até poderão optar por onde ficar durante a noite; seja dormindo em redes ao ar livre sob as estrelas ou debaixo de cobertores em noites mais frias.

O Jungle Friends oferece cuidados permanentes para mais de 300 macacos do Novo Mundo que eram abusados em pesquisas ou foram salvos das indústrias de comércio e entretenimento de animais domésticos.

Muitos chegaram com problemas psicológicos e físicos, que são resultado do isolamento, da  negligência ou do abuso. No santuário, os macacos aproveitam a companhia de outros de sua natureza e recebem o amor e o cuidado que merecem. (ANDA).

Compartilhar
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014