Salve a Amazonia
30 de maio de 2018
publicado às 14h21
Mais de 40 mil pessoas vão às ruas de Madri protestar contra touradas

Mais de 40 mil pessoas vão às ruas de Madri protestar contra touradasO acontecimento, que é considerado esporte na Espanha, envolve diversos espetáculos relacionados aos touros

Milhares de moradores de Madri foram às ruas no último domingo (27) para protestar contra a brutalidade das touradas.

Com o slogan “tauromaquia es violencia” (tourada é violência) os manifestantes pediam o fim da prática. Cerca de 17 grupos de defesa dos animais se uniram pela causa, reunindo cerca de 40 mil pessoas.

 

Enquanto outras cidades na Espanha, incluindo Barcelona, ​​proibiram a prática cruel, ela continua sendo realizada legalmente em Madri. A contradição levantada pelo protesto, é que a capital não mostra tolerância à crueldade com cães. Portanto, por que haveria de naturalizar a crueldade com touros?

As touradas são protegidas pela legislação nacional como patrimônio histórico e cultural da Espanha. Laura Gonzalo, porta-voz do grupo organizador da marcha, disse que a atividade retrógrada não tem lugar na Espanha no século 21.

Além dos eventos que envolvem a tortura e a morte de touros, os manifestantes também exigiram que qualquer evento envolvendo os animais seja retirado do registro de patrimônio cultural nacional da Espanha, que apoia os eventos, financiando-os com dinheiro dos contribuintes. Eles também pediram por leis de proteção cada vez mais fortes para os animais.

A marcha de protesto começou na praça Puerta del Sol, no centro de Madri, e continuou pelas ruas da cidade. Além das faixas carregadas pelos ativistas em defesa dos direitos animais, 500 dos manifestantes quebraram as lanças dos toureiros tradicionais e jogaram uma nuvem de pó vermelho na praça para simbolizar o sangue de cerca de 20.000 touros indefesos que morreram no local no ano anterior em decorrência das touradas.

Várias celebridades espanholas apoiaram a manifestação, incluindo a cantora Mari de Chambao, a jornalista e escritora Pilar Eyre e a atriz Emma Ozores. O protesto também foi apoiado por Juan Carlo Monedero, que é o co-fundador do partido Podemos. Monedero disse que a prática não deve mais ser considerado parte da cultura espanhola.

Toureiro enfrenta o touro em arena.

 

Compartilhar
Notícias Relacionadas
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014