Salve a Amazônia
27 de agosto de 2020
publicado às 09h34
ONGs pedem ao Congresso que revogue medidas que facilitam a caça

Decretos e portarias editadas pelo governo Bolsonaro facilitam o acesso de caçadores às armas

Um conjunto de 137 organizações da sociedade civil, entre elas o WWF-Brasil, assina um manifesto, direcionado aos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), pedindo a revogação de decretos e portarias editadas pelo governo Bolsonaro que favorecem a flexibilização da legislação em favor da caça e do acesso às armas de fogo.

Segundo o documento, o grupo de CACs (Caçadores, Atiradores e Colecionadores) é um dos mais beneficiados pela política armamentista do governo. “O registro concedido pelo Exército e a consequente autorização de compra de armas e munições têm grande influência no aumento da caça ilegal a animais silvrestres do Brasil. Uma vez que as armas foram compradas e registradas, é quase impossível fiscalizar como serão utilizadas”, alertam as entidades.

Além disso, a diminuição da diversidade da fauna nativa ocasionada pela caça acarreta em impactos diretos sobre a estabilidade climática, deficiências nos ciclos naturais e outros serviços ecossistêmicos dos quais depende a nossa economia.

Segundo um relatório de 2018 do WWF-Brasil, as populações de vertebrados (mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes) sofreram mundialmente uma queda de 60% desde a década de 1970. E nas Américas do Sul e Central a perda foi ainda mais dramática: 89%.

“Pedimos medidas urgentes por parte do parlamento brasileiro para que pautem e aprovem os Projetos de Decretos Legislativos que tratam do tema a fim de sustar esse processo de facilitação de acesso dos cidadãos (CACs) às armas e às munições que contribuem para a deterioração da segurança pública de nossa população e a destruição das condições de vida silvestre em nosso país”, subscrevem as organizações.

População brasileira
A grande maioria dos brasileiros, 93% da população, é contra a caça, revela pesquisa Ibope a pedido do WWF-Brasil, lançada em 2019. O dado é um importante indicador na luta de coletivos da sociedade civil e de parlamentares contra uma série de projetos de lei de deputados ruralistas, em especial o de número 6268/2016, de autoria do deputado Valdir Colatto (MDB-SC), atualmente em tramitação.

De acordo com as pesquisas, 73% são contra a flexibilização do porte de armas por cidadãos comuns; 61% são contrários à maior facilidade para possuir arma em casa e 93% dos brasileiros são contra a caça.

Leia a íntegra do manifesto.

Fonte: WWF Brasil

Compartilhar
Notícias Relacionadas
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014