Salve a Amazonia
16 de agosto de 2015
publicado às 22h36
Orangotangos enfrentam extinção em Bornéu, onde o desflorestamento é insustentável

Orangotangos em extinção

A conversão em massa das florestas de Bornéu em área para a produção de óleo de palma, em conjunto com o impacto das alterações climáticas, está levando à extinção os orangotangos na maior ilha da Ásia, tornando “claro que um futuro sem o desenvolvimento sustentável será um futuro com um clima diferente e, eventualmente, sem orangotangos, um dos nossos parentes mais próximos”, revelou nesta quarta-feira (29) um novo relatório das Nações Unidas.

De acordo com o documento publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pela Universidade de Liverpool John Moores, em colaboração com a Parceria para a Sobrevivência dos Grandes Primatas (GRASP), a conversão em massa de florestas de Bornéu para o desenvolvimento agrícola – principalmente para óleo de palmas – vai deixar os orangotangos em perigo de extinção fragmentados e em vias de extinção em uma série de áreas”. Estima-se que 55 mil orangotangos de Bornéu permanecem nas florestas, de acordo com o PNUMA.

“O impacto ambiental da mudança climática agravada pelo desmatamento de Bornéu poderá resultar em graves inundações, aumento da temperatura, redução da produtividade agrícola e outros efeitos negativos”, disse o relatório.

A ilha de Bornéu é divida em três partes pela Indonésia, Malásia e Brunei. Sua taxa de desmatamento está entre as mais altas do mundo há mais de duas décadas e 56% das florestas tropicais de planícies protegidas – uma área quase do tamanho da Bélgica – perdeu-se entre 1985 e 2001. O relatório acrescenta que, se o desmatamento no sudeste da Ásia continuar, 75 % da cobertura florestal original será perdida até 2030. (ONU-Brasil).

Compartilhar
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014