Salve a Amazonia
26 de agosto de 2016
publicado às 11h54
Proposta pode proibir turistas de nadarem com golfinhos nos EUA

Proposta pode proibir turistas de nadarem com golfinhos nos EUAReguladores federais fizeram uma proposta para proibir o público de nadar com golfinhos, no Havaí. O National Marine Fisheries Service afirma que os golfinhos-rotadores – a espécie noturna e brincalhona visitada por turistas nas águas do Havaí – são privados de descansar durante o dia e estão cada vez mais estressados.

Nadar com golfinhos é uma atividade popular para visitantes e nativos, com dúzias de companhias que fornecem esse tipo de passeio diariamente em Kauai, Oahu, Maui e na Grande Ilha.

Os golfinhos-rotadores se alimentam na superfície do oceano à noite. Durante o dia, eles se reúnem em baías rasas para se esconder dos tubarões e outros predadores. Quando os golfinhos dormem, eles mantêm parte do cérebro acordada para que eles possam ir até a superfície e respirar. Como resultado, eles podem parecer ativos mesmo quando estão dormindo. Diferente de outras espécies de golfinhos do Havaí, os rotadores têm o hábito de voltar ao mesmo lugar todos os dias. Isso facilita a vida dos grupos turísticos, que os encontram facilmente.

Ann Garrett, assistente regional do National Marine Fisheries Service, diz que os golfinhos estão queimando calorias em um ritmo acelerado, pois são forçados a se manter vigilantes enquanto as pessoas se aproximam de seu território. Além disso, cientistas temem que a perturbação no hábitat prejudique a capacidade reprodutiva dos animais.
“Todas essas coisas podem contribuir para um nível crônico de estresse nos golfinhos. Essa é a maior preocupação dos que defendem o banimento” diz Garrett. A espécie é conhecida pelo característico hábito de saltar fora d’água. Estudos mostram que talvez esse tipo de comportamento não seja sempre brincalhão, mas uma forma dos golfinhos alertarem uns aos outros sobre perigo.

A agência federal planeja realizar reuniões públicas para discutir as regulações e espera ter uma decisão oficial ano que vem. Ela busca solicitar a todos os nadadores e mergulhadores que fiquem a pelo menos 45 metros de distância dos golfinhos. Garrett afirma que os guias turísticos podem seguir a regra e continuar lucrando com esses passeios, e diz que alguns já estão fazendo isso voluntariamente. (Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais).

Compartilhar
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014