Salve a Amazonia
10 de janeiro de 2017
publicado às 12h48
Um circuito que fomenta a cultura e atrai grande público ao cinema alternativo

cine-cultura-um-circuito-que-fomenta-a-cultura-e-atrai-grande-publico-ao-cinema-alternativo“Eu gosto muito do espaço, acho acolhedor. É climatizado e as poltronas são confortáveis. No geral priorizo o Cine Cultura quando vou ao cinema porque eles exibem bastante filmes brasileiros e eu gosto muito do cinema brasileiro. As escolhas dos filmes são muito coerentes, no geral são obras reconhecidas em festivais ou que tem recebido boas críticas”. A declaração positiva é da estudante, Nathália Patrício, sobre o Cine Cultura o aparelho cultural da Fundação Cultural de Palmas, que exibe programação de caráter cultural de qualidade, a preços populares. A programação do Cine Cultura é alinhada com os maiores festivais de cinema nacionais e estrangeiros, como o Festival de Cinema de Gramado, Mostra Internacional de São Paulo, Festival de Cannes, Oscar da Academia Internacional de Cinema, entre outros.

Para Nathália, “é justamente esse incentivo a produções independentes que constrói o maior atrativo, são filmes que no geral não estarão na programação dos outros cinemas da cidade porque não se enquadram no perfil de circuito comercial. Acaba que o espaço, ao menos para mim, ultrapassa um pouco o fim de estrutura-lazer, é um lugar pelo qual tenho afeto”.

A sala do Cine Cultura possui 170 poltronas, incluindo duas de acessibilidade universal, tecnologia de imagem e som digital, compostos por equipamentos de última geração e tecnologia de ponta. Projeção digital, ou seja, um novo formato DCP 2K – Digital Cinema Package, som digital 5.1. O que significa que o formato DCP proporciona a exibição de conteúdos alternativos como os últimos filmes do circuito cinematográfico internacional.

Segundo a técnica em audiovisual, Elisângela Dantas, somente em 2016 foram exibidos 32 longas nacionais, premiados em festivais, todos com produção também em 2016, dentre eles Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert, Boi Neon, de Gabriel Mascaro; e Aquarius, de Kleber Mendonça. Também foram exibidos 17 títulos estrangeiros, como o espanhol Julieta, de Pedro Almodóvar; Café Society, de Woody Allen; e Florence: Quem é Essa Mulher?

Foram realizadas ainda quatro Mostras e duas edições do Cinema e Vinho, promovendo a formação de diferentes públicos.

O Cine Cultura é também local de exibição de filmes regionais. No ano passado foram exibidos 16 curtas do “Você na Tela”, o I Festival de Cinema Estudantil de Palmas, um desdobramento do Projeto Cine Escola, que só em 2016 atendeu mais de 6.500 alunos de escolas municipais, estaduais, particulares e universidades.

“Gosto muito de cinema e admiro iniciativas como a do Cine Cultura, em fomentar filmes, que ficam fora do circuito comercial, em Palmas.  Durante o ano passado, vi grandes obras e diretores brilhantes que ficam fora das grandes salas por questões de distribuição ou investimento. Também gosto muito da ideia de valorizar o cinema brasileiro e filmes independentes. Acredito que por se tratar de uma sala de cinema, gerida pela iniciativa pública, esse cuidado e incentivo devem acontecer mesmo. Fico muito orgulhoso em ver o projeto dando certo, principalmente na última semana, na estreia de Elis, que houve quase que lotação de público. Sempre que posso vou prestigiar a iniciativa e mergulhar no universo da sétima arte”, declarou Jorge Resende.

 

Ampliação de público

Em 2016 a média de público mais que dobrou em relação a 2015. Nesse ano 12 mil pessoas passaram pela sala do Cine Cultura, ao passo que no ano anterior o público foi de aproximadamente 5.500 pessoas.

Para o presidente da Fundação Cultural (FCP), Hector Franco, o Cine Cultura tem uma tradição de vários anos de apresentar filmes com uma temática mais cultural, filmes mais alternativos. “O que fizemos nesse ano além da reforma, foi uma programação através de contratos que desenvolvemos com os estúdios para fornecimentos de filmes dentro de um contexto de temática ‘mais alternativa’, com aspecto cultural importante, com um viés mais cultural, com lançamentos de destaques nos festivais nacionais e internacionais”, ressalta Franco.

“Fizemos lançamentos de filmes alternativos e culturais importantes e isso é fundamental para que dentro do contexto de formação de plateia no audiovisual, com uma temática mais elaborada, que forneçamos esse tipo de opção para o público, mais qualificado e que resguarda essa função que é primordial da FCP, de fomentar a cultura”, finaliza Franco.

Já Dantas explica que o Cine Cultura tem o diferencial de ser cadastrado na Agência Nacional de Cinema (Acine), que regula e fiscaliza o mercado de cinema e do audiovisual no País. Com o cadastro na agência, o Cine Cultura tem acesso a qualquer distribuidora no país e no mundo, permitindo a exibição de Mostras e Festivais. Em 2016 a sala foi inserida no Mapa Cinematográfico, no endereço http://www.ancine.gov.br/mapa-de-complexos. (Ascom – Palmas).

Compartilhar
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014