Salve a Amazonia
21 de outubro de 2019
publicado às 14h11
União Europeia investe no desenvolvimento de proteínas de origem vegetal

Uniao Europeia investe no desenvolvimento de proteinasProteínas de origem vegetal serão desenvolvidas a partir de subprodutos desperdiçados pelas indústrias de cervejas, pães e massas

A União Europeia (UE) anunciou este mês investimentos de 10,1 milhões de dólares no desenvolvimento de proteínas de origem vegetal a partir de subprodutos desperdiçados pelas indústrias de cervejas, pães e massas.

O projeto, intitulado Smart Protein, terá duração de pelo menos quatro anos e conta com parceria de 32 empresas – incluindo a cervejaria Anheuser-Busch, indústria de alimentos Barilla e Glanbia e da semi-estatal irlandesa Teagasc. A princípio, serão investidos 11,8 milhões de dólares no total.

A iniciativa será coordenada pela University College Cork (UCC), da Irlanda, e pretende reduzir o desperdício de alimentos reaproveitando principalmente grãos, leveduras e pequenas raízes germinadas de cevada. A escolha de ingredientes de origem vegetal passa pela consideração de que são matérias-primas ideais quando se visa a redução de impacto no meio ambiente.

O projeto será liderado pela pesquisadora sênior da Escola de Ciências Alimentares e Nutricionais da UCC. A expectativa é de que os produtos criados pelo Smart Protein ganhem o mercado em 2025.

De acordo com uma pesquisa da Canada West Foundation (CWF), a demanda global por proteínas de origem vegetal deve chegar a 16 bilhões de dólares nos próximos cinco anos, o que significaria um aumento de 100% se comparado à atualidade.

Vale lembrar também que pesquisadores do Centro de Pesquisas Técnicas da Finlândia (VTT) estão trabalhando no projeto Prominent, que também tem como objetivo extrair novas proteínas de cereais e grãos.

A coordenadora Emilia Norlund explica que a iniciativa visa oferecer alternativas ao consumo de carnes e laticínios. A justificativa, segundo o VTT, é que produzir alimentos de origem animal não é sustentável e hoje há uma crescente necessidade de se criar um sistema alimentar global mais eficiente.

“A pecuária é um grande problema na mudança climática. Então, se pudermos consumir mais alimentos de origem vegetal e não investir tanto em colheitas para a nutrição animal, não há dúvida de que isso beneficiaria todo o planeta. De fato, existem muitos cálculos que mostram que os alimentos vegetais são muito mais sustentáveis ​​quando pensamos sobre as questões ambientais”, argumenta Emilia.

 

Fonte: ANDA

Compartilhar
Notícias Relacionadas
Comentários 
0
Escreva um comentário

Portal da Amazônia Legal © Todos direitos reservados 2014